10 DICAS PARA SUPERAR A PERDA DE UM AMOR

Vamos imaginar os seguintes panoramas: Roberta e Ricardo estavam juntos havia 3 três anos, até que um dia ele rompeu o relacionamento porque o “amor acabou”. Já Marcela ficou viúva de Eduardo depois de 11 anos de casamento. Dói, e é normal passar por uma fase de luto, seja qual for o motivo da separação. Mas a tristeza não pode durar para sempre e o que temos que ter em mente é que tem jeito de superar a perda de um grande amor, sim! Claro que não há “receita de bolo” para isso, mas quando a gente busca, consegue superar e viver bem, mesmo com ausência de alguém que foi ou ainda é especial em nossa vida. Separei algumas dicas pra ajudar você a levantar, sacudir a poeira e dá a volta por cima!

01 – Ame-se antes de T.U.D.O! Alimentar o amor-próprio ajuda a virar a página. E cá entre nós: com decepção amorosa ou não, faz um bem danado cuidar da gente, né? Como diz o poema de Mário Quintana: “Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você. O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você”. Guarde este aí, tire um print, anote, cole na geladeira, no escritório… Mas mantenha esse poema vivo em sua mente, pois ele pode lhe ajudar a manter sua autoestima nas alturas!

02 – Mude o look , arrisque algo diferente em seu visual. Que tal mudar o corte de cabelo, fazer a reeducação alimentar e ganhar mais saúde, praticar um esporte ou fazer um curso de idioma? Isso gera uma sensação de bem-estar, carinho, acolhimento e mantém sua mente ocupada com o que lhe faz feliz! Trazer o foco para você é importante nessa hora tão difícil. Estar toda trabalhada no amor-próprio dá aquele UP na moral, concorda?

03 – Aceite seu lado humano, suas limitações e fragilidades. Para ser feliz outra vez, agradeça pelas experiências vividas, no tempo que foi possível, com aquele ou aquela que não faz mais parte da sua rotina. Aprenda perdoar, a não guardar rancor daquele que foi embora por vontade própria. No final das contas, é melhor dizer adeus do que não estar presente por inteiro. Ninguém merece viver pela metade. Se a separação foi causada por morte, isso é um fato sobre o qual a gente não tem controle, infelizmente. Aprender a lidar com a perda faz parte da vida e traz aprendizado para cada um de nós.

04 – Faça novos contatos e crie oportunidades. Permanecer na cama chorando dias e dias pelo romance que acabou não vai ajudar em nada, viu? O sentido da vida é pra frente e ela continua! Não alimente questionamentos intermináveis. Sabe aquele monte de “e se eu tivesse isso ou aquilo?” Pois é… Não vale a pena! Livre-se das culpas e de todos os “e se”, combinado? Conheça gente nova, saia mais com os amigos. E se não tiver com quem sair, vá sozinha e faça novas amizades. Ficar “sozinha” por um período pode ser bom, sabia? Aproveite para investir em você mesmo!

05 – Ocupe-se – para dar a volta por cima. Aposte na leitura de um bom livro, na ida a um parque, visite museus, vá ao cinema e assista a um bom filme de comédia (nada de drama, romantismo ou terror, por favor!), escute músicas alegres (sem sofrencia nessa hora!), frequente um bom restaurante, divirta-se em shows, curta aquela barzinho… Enfim, saia de casa! Pode ser também uma viagem ou aquele curso que tanto desejava. Mas nada de atividades ou lugares que lembrem a vida de vocês dois… Xô passado!

06 – Aprenda a dar tempo ao tempo. Ele ensina a lidar com a ausência de um grande amor e sarar todas as feridas. Pode até ser clichê que o tempo é o melhor remédio, porém é um clichê que funciona e tá valendo! Depois, o que fica é uma lembrança, uma saudade leve ou nem isso… Em certos casos, só alívio mesmo. Afinal, tem situações em que a “perda” na verdade é um ganho incalculável.

Agora, se houve abandono e não falecimento, pense: Compensa realmente sofrer por uma criatura que está por aí curtindo à vontade ou até já engatou outro relacionamento? Valorize-se! Você deve ser o primeiro plano, sempre.

07 – Evite fuçar itens que remetam à pessoa ausente. Um dos segredos para suportar a etapa crítica é um tipo de desintoxicação emocional. Praticar o desapego diário é fundamental. Tire objetos e fotos das paredes e estantes.

O legal é fazer o subconsciente compreender que você aprendeu a viver sem o outro. Pode ser desconfortável no começo, mas vai dar certo. Lembre-se: tudo passa. Dias bons ou não tão bons, passam.

Ter contato frequente com o ex ou coisas ligadas a ele deixa uma falsa ideia de que o elo continua ali… Como um fantasma. Isso pode causar crises de ciúme, frustração e mais sofrimento.

08 – O “detox” vale também para mídias sociais também, viu? Nada de sair “fuçando” a vida da outra pessoa. Pense que ela não mais existe e pronto, ou seja, game over! Não banque o Sherlock Holmes digital sem essa de stalkear a criatura na internet depois do rompimento. Enquanto você não desgrudar dele completamente, inclusive no meio virtual, fica ainda mais difícil seguir em frente. Como superar a perda de um grande amor desse jeito? Como vai esquecer de tudo se procura alimentar esperanças e lembranças?

E mais: se você está sofrendo horrores, que sentido tem mantê-lo como amigo na web? Que tortura! Você não merece passar por isso! Se essa pessoa não lhe faz bem, não alimente a dor. Livre-se disso criatura! Foco em você  e na sua autoestima!

09 – Cuidar da sua carência é essencial. Dizem por aí que alimentar essa danadinha é o pior alucinógeno. Deve ser mesmo, viu? Pois ela faz a gente imaginar o que não existe, ter recaídas, acreditar em falsas esperanças.

Por via das dúvidas, evite esbarrar com essa pessoa em qualquer ambiente e não se iluda: um simples olhar pode virar uma bomba-relógio quando os dois lados ainda não estão prontos para um encontro natural e amigável.

Entenda que nem sempre um flashback é sinal de que a ruptura pode ser revertida, viu? E como diz minha mãe: “Se fosse pra ser atual, não seria EX”, entende?

10 – Remoer pra quê? Ruminar o que já aconteceu só adia sua superação. A gente coloca na balança os erros e acertos de cada um quando a relação ainda existe e na intenção de salvar o relacionamento, mas se esse o bom sentimento não mais existe, não force a barra criando na sua própria cabeça uma dependência de algo ou alguém que não lhe quer e não lhe merece. Lembra daquela famosa frase que diz: “Levanta a cabeça princesa se não a coroa cai”? Pois é bem assim mesmo, tá? Levanta a cabeça e siga em frente!

Enfim… Quem gosta de perder? Ninguém. Mas é a vida. Como diz a música “Aprendendo a Jogar”, de Guilherme Arantes, interpretada por Elis Regina: “Vivendo e aprendendo a jogar/Nem sempre ganhando/Nem sempre perdendo/Mas, aprendendo a jogar…” E deixe claro pra você mesmo que nem sempre “perder” é sinônimo de perda. A perda pode ser um ganho e isso só o tempo poderá lhe dizer.

E assim… Não tem outro modo de aprender a jogar a não ser jogando, concorda?  Encare o fim sem apego. Seja por morte do parceiro ou pé na bunda mesmo… Siga em frente! É doloroso? Sim. E dependendo da intensidade do amor ou do tempo de convivência, machuca mais ainda. Aparentemente, parece que nunca vai passar, mas acredite: passa sim!

Se tiver vontade de chorar, deixe as lágrimas rolarem. Viva seu período de luto mesmo. Quando um amor se vai, os sonhos, os planos, as idealizações e as expectativas vão junto também, mas é possível recomeçar e ser ainda mais feliz! É humano ficar com o peito apertado de angústia diante de mudanças, principalmente as inesperadas. Porém, são exatamente as mudanças que nos movem e nos impulsionam a voar mais alto.

Ao notar que precisa de uma forcinha extra, procure auxílio profissional. Porque não um terapeuta? Desabafar não muda o que passou, mas esvazia sai alma, certamente. 😊

Ah! Lembra da Roberta e da Marcela, as personagens lá do comecinho da história? A primeira conheceu um cara bacana em uma viagem e a segunda aceitou uma proposta de trabalho e está pronta para recomeçar curtir um amor novinho em folha!

Olha, de verdade, fico na torcida para que as dicas de hoje ajudem você a superar a dor de um coração partido o mais rápido possível e lhe impulsionar a seguir rumo ao novo!

Beijo grande!